25 de Julho - Dia do Escritor


Escritores brasileiros, internacionais, anônimos, lembrados ou de bidê. De uma classificação ou outra, mas escritores.
O conteúdo não importa, pode ser poesia, humor, biografia, ficção, contos, história reais ou em quadrinhos. Do mesmo jeito, são escritores. Se escrevem para determinado público ou não. Se encantam a todos ou não. Se são famosos ou não. A qualquer modo, são escritores.
Escrevem as palavras que encantam, que fascinam, que iludem, espantam, acordam, emocionam, sonham ou rejeitam. Indiferente do sentimento, são escritores.

Parabéns a todos aqueles que conseguem passar para o papel sentimentos, emoções e vibrações que são transmitidas para os leitores.
Parabéns aos pequenos, grandes, desconhecidos e famosos escritores, que se dão tão bem com um papel e uma caneta e que transbordam felicidade com palavras.

0 comentários:

Bicicloteca: bike itinerante doa livros a moradores de rua


Está na Constituição brasileira: todo o cidadão tem direito à cultura e educação e, para ajudar a cumprir essa Lei, o IMV – Instituto Mobilidade Verde criou a Bicicloteca, uma bike itinerante desenvolvida para percorrer as ruas das cidades brasileiras doando livros aos moradores de rua.

Com um compartimento traseiro que tem capacidade para armazenar até 150 kg de livros, a Bicicloteca é capaz de levar a leitura a centenas de desabrigados, que para ganhar uma obra só precisam fazer uma promessa: doar o livro para outro morador de rua, quando terminarem a leitura – já que seria inviável pedir para que obras fossem devolvidas à biblioteca, como de costume.

O projeto ainda está no começo e a primeira Bicicloteca do IMV será doada, na próxima segunda-feira, 25 de julho – não por acaso, o Dia do Escritor – para o MEPSRSP – Movimento Estadual de População em Situação de Rua de São Paulo, que oferece assessoria jurídica aos desabrigados, além de encaminhá-los para projetos sociais e empresas dispostas a oferecer emprego.

Até o final do ano, o Instituto ainda pretende entregar outras dez Biciclotecas, em diferentes cidades brasileiras, para ONGs comprometidas com projetos que visam levar cultura à comunidade, que receberão todo o auxílio do IMV para implantar a iniciativa. (As organizações dispostas a receber uma bike itinerante podem enviar ao IMV, no e-mail contato@mobilidadeverde.org, um pedido formal, que será avaliado pelo Instituto)

Quem tiver livros em casa também pode participar do projeto, doando as obras – pessoalmente ou pelo correio – para a Biblioteca Municipal Mário de Andrade (Rua da Consolação, nº 94, República – São Paulo/SP), que encaminhará os livros para as Biciclotecas do IMV.


Foto: Divulgação/IMV

0 comentários:

NÓS VAMOS!!!

1 comentários:

Promoção MAPAS DO ACASO

Em parceria com a Livraria Betel (Rio Branco/AC), a Belas-Letras vai premiar os 5 primeiros que adquirirem o livro MAPAS DO ACASO na Livraria Betel de Rio Branco e enviar o COMPROVANTE DE COMPRA para o email atendimento@belasletras.com.br. O brinde será uma palheta autografada pelo Humberto Gessinger.


Livraria Betel
Rua Guiomard Santos - Rio Branco - Acre
(68) 3223-8909

0 comentários:

Resultado da promoção Mapas do Acaso

Pessoal!!

Segue o link com os 5 sorteados que foram premiados com 1 kit Mapas do Acaso - camiseta + livro + palheta autografada.


Parabéns aos vencedores!!!! E fiquem ligados, que logo mais promoções estarão no ar!!!!

0 comentários:

9 escritores que previram o futuro

Esqueça Nostradamus e aquele cara que disse que o mundo ia acabar em maio deste ano. As profecias mais acertadas sobre o futuro vieram dos escritores de ficção. Às vezes a exatidão de detalhes é impressionante, como no caso da ida do homem à Lua, antecipada por Júlio Verne. Alguns dos autores até reconheceram que fariam fortuna se tivessem patenteado algumas de suas invenções visionárias. Quer ver?


Júlio Verne (1828-1905)


Julio Verne foi um dos pioneiros do futurismo e previu a existência de viagens espaciais, submarinos, helicópteros e satélites. Em 1869, o escritor francês imaginou um submarino que utilizava um combustível eficiente e praticamente inesgotável. A ideia se concretizou em 1955, com o primeiro submarino de verdade movido por propulsão nuclear. Ele recebeu o nome de Nautilus em homenagem ao veículo descrito por Verne.

A descrição de uma viagem à Lua também foi quase profética: o livro Da Terra à Lua (1865) é praticamente um rascunho do que ocorreu de fato com o projeto americano Apollo, em 1969. A duração da jornada (97 horas na ficção e 103, na realidade), o número de tripulantes (três), os locais de lançamento (a Flórida) e de pouso (o Mar da Tranqüilidade, na Lua), tudo parece ter sido previsto um século antes. A cápsula de Verne, em forma de bala, media 4,8m de altura e 2,7m de diâmetro. A Apollo media 3,7m de altura e 3,9m de diâmetro. Até mesmo o regresso à Terra, com o pouso no Pacífico e o resgate por um navio, é igual.


HG Wells ( 1866 – 1946)

A lista de invenções e ideias de Wells que se tornaram realidade é impressionante. Em Guerra dos Mundos (1898), ele descreve o laser e, em When the sleeper wakes (1899), fala de portas automáticas. Wells não descreveu especificamente o celular, mas falou de um futuro em que as pessoas usariam meios de comunicação sem fios e correios de voz em alguns de seus romances. Suas “previsões” sobre a guerra também foram impressionantes. Tanques, bombardeamentos aéreos e mesmo bombas nucleares já estavam descritos em seus livros.


Arthur C. Clarke (1917 – 2008)

Ele próprio confessa que teria ficado rico se tivesse patenteado a idéia dos satélites em órbita fixa ao redor da Terra. A sugestão foi apresentada em um artigo de 1945, como um meio de melhorar as telecomunicações. O conto A Sentinela (1951) deu origem a 2001: Uma Odisséia no Espaço, filme de 1968 de Stanley Kubrick sobre o supercomputador HAL 9000, que comanda uma espaçonave, adquire vontade própria e começa a eliminar os tripulantes. O filme prevê os computadores capazes de derrotar o homem no xadrez (coisa que aconteceu em 1997, quando um supercomputador da IBM bateu o campeão de xadrez Gari Kasparov em um tira-teima) e mostra uma cidade orbital quase igual à Estação Espacial Internacional.

Até o iPad já tinha sido “previsto” por Clarke. No livro 2001, escrito em 1968, baseado no script que ele escreveu para o filme de Stanley Kubrick, o protagonista utiliza algo chamado Newspad, um computador usado basicamente para exibir conteúdo como jornais, atualizados automaticamente, durante uma viagem.


Cyrano de Bergerac (1619 – 1655)

O escritor e duelista francês existiu de verdade e, sim, tinha um enorme nariz (mas isso não é relevante). Em pleno século 17, ele descreveu em uma de suas obras algo que se parecia com um gravador: uma caixa que permitia “ler com as orelhas”. E vai mais longe: em Viagem à lua(1650), ele fala de uma nave dividida em várias partes que se queimavam sucessivamente, até situar a cápsula tripulada em órbita. Parece familiar? A ideia foi retomada por Julio Verne emDa Terra à Lua, de 1865.


Aldous Huxley (1894-1963)

A obra mais famosa do escritor inglês, Admirável Mundo Novo (1932), descreve um cenário sombrio em que a casta dirigente recorre à lavagem cerebral e à manipulação genética para manter a população idiota. O livro prevê a liberação sexual dos anos 60, as drogas químicas, a clonagem e até a realidade virtual, que ali aparece com o nome de cinema-sensível. Fora todas as outras associações possíveis entre o “mundo novo” de Huxley e o nosso.


Geoffrey Hoyle (1942)

O escritor britânico nascido em 1942 escreveu o livro 2010: Living in the Future em 1972 e antecipou boa parte da tecnologia do século 21. Webcams, compras pela internet, ensino à distância, bibliotecas digitais, estava tudo lá. Olha a descrição de uma sala com acervo digital em uma biblioteca do futuro: “Os livros, filmes e jornais estão todos armazenados no computador da biblioteca. Primeiro você acessa o índice de biblioteca. Este arquivo contém todos os livros que já foram escritos. Não importa se eles foram primeiro escritos em chinês ou francês. Eles vão estar aqui, traduzidos para o Inglês. Há também um índice de filmes e jornais.”

Na descrição de Hoyle, você pode até virar as páginas usando botões e acessar qualquer livro em sua própria casa. Ele previu até o déficit de atenção das pessoas do futuro: “Enquanto você está na biblioteca, você pode querer ver alguns filmes de viagem para lhe ajudar a decidir para onde irá nas próximas férias. (…) Até mesmo se você estiver sozinho em sua casa, você pode conversar com seus amigos durante a aula. É so digitar o número de um amigo e o seu rosto aparece no canto da tela”. Gente!

Dá para ler o livro nesse tumblr (em inglês): http://2010book.tumblr.com/


George Orwell (1903 – 1950)


A expressão Big Brother surgiu no romance 1984 (1948), em que o autor britânico antevê as paranoias que se tornariam realidade com as câmeras de vigilância espalhadas hoje por todo lado. O adjetivo “orwelliano” cabe a todo regime totalitário que altera fatos históricos a seu favor e só acredita na paz por meio da guerra. Fora que o autor inspirou um dos reality showsmais famosos do mundo.


Ray Bradbury (1920)

No livro Fahrenheit 451 (de 1953), Bradbury imagina os EUA dos anos 90 como uma sociedade hedonista e anti-intelectual, onde é proibido ler livros. Nesse mundo, todo trabalhador sonha em comprar sua “televisão de parede”, uma sala com projeções 3D e um sistema de som multicanal, onde as pessoas se sentem imersas na transmissão de espetáculos musicais ou competições que testam seu conhecimento sobre cultura popular, e onde os atores de suas séries preferidas são chamados de família. Detalhe: quando Fahrenheit foi lançado, em 1953, a televisão colorida havia sido lançada nos EUA fazia apenas 3 anos e ainda era extremamente cara. Tecnologias como o laserdisc e sistemas de som multicanal, que iriam tornar possível os home theaters, só surgiram na década de 1980. E o melhor: Bradbury ainda está bem vivo e já viu suas previsões acontecerem.


Johann Wolfgang von Goethe (1749 – 1832)


Além da literatura, Goethe se interessava muito por ciência e deixou trabalhos importantes em campos como botânica, física, química e até meteorologia. E ele previu um retrato acertado sobre o mundo atual também. Em Fausto, Goethe antecipou a questão ambiental que o homem enfrenta hoje, destruindo a natureza em prol de um suposto desenvolvimento da civilização. No romance Os anos de peregrinação de Wilhelm Meister, ele cunhou o termo ‘velocífero’, mistura das palavras “velocidade” e “Lúcifer”, para se referir a um mundo frenético de velocidade demoníaca.


Fonte: SuperInteressante

0 comentários:

Doação de livros


* Uma ação em benefício à comunidade de Capão Bonito/SP foi realizada este mês pela Belas-Letras.

Foi encaminhado à comunidade mais de 100 obras, dos mais variados gêneros, que auxiliarão no desenvolvimento e aprendizado de todas as crianças e moradores de Capão Bonito.

Para quem quiser colaborar com a comunidade, é só entre em contato com:
Alfredo Ozi Galvão
Rua Silva Jardim 615 – Centro
Capão Bonito - São Paulo
CEP 18300 – 020
Email: alfredoozi@hotmail.com

* A Editora realizou também doação de livros para a Biblioteca Pública Municipal Professora Elsa Hofstätter da Silva, de Nova Petrópolis (Rio Grande do Sul).

Após incêndio no começo do mês de junho que atingiu o prédio histórico da Biblioteca Pública Municipal de Nova Petrópolis, a campanha de arrecadação e doação de livros está cada vez mais despertando o espírito de solidariedade nas pessoas.

O acidente que gerou a perda de 8 mil obras literárias, já recebeu mais de 2.000 obras vindas de diferentes cidades e lugares. E a Belas-Letras entrou com grande apoio, doando dezenas de obras, de diferentes gêneros.

Na cidade, os livros podem ser entregues na sede do Corpo de Bombeiros Voluntários (Rua Rui Barbosa, 576, Centro). Doações em grande volume, inclusive de outras cidades, serão recolhidas pela Secretaria de Educação de Nova Petrópolis. O telefone para informações e agendamento da coleta dos livros é o 54 3281.8442, com Paula ou Vera.

Notícia completa




Faça diferença na vida das novas gerações através da Educação.

0 comentários:

A origem das coisas


Channel Nº5

A partir do seu primeiro emprego, numa loja de chapéus, a francesa Coco Chanel abriu as suas próprias lojas, tornando-se numa das mais importantes estilistas do mundo. O Chanel nº 5 é elaborado com uma mistura de 60 fragrâncias. O 5 era o seu número da sorte, tanto que Coco apresentou o produto no dia 5 de maio de 1921. Mas foi Marilyn Monroe quem tornou o perfume um sucesso. Ao ser entrevistada, perguntaram o que vestia para dormir. Marilyn respondeu: "Apenas algumas gotas de Chanel nº 5".

Caneta Bic

Marcel Bich, depois de trabalhar numa empresa de tintas durante a Segunda Guerra Mundial, em 1949, comprou uma pequena fábrica de canetas esferográficas. As canetas vazavam tinta e sujavam os dedos, mas faziam sucesso, e Bich decidiu investir no produto. Procurou o seu inventor, Ladislao "Laszlo" Biro, comprou a patente e iniciou a fabricação da caneta Bic, cujo modelo é praticamente o mesmo até hoje. Atualmente, são vendidas 10 milhões de canetas por dia.

Barbie

A boneca mais famosa do mundo, lançada em 1958, foi inspirada em Barbara Handler, filha da americana Ruth Handler, fabricante de brinquedos. Ruth achava as caras das bonecas da época infantis demais e desenhou a Barbie com um ar mais adulto. Ao lado do marido Elliot, que fabricava casas de bonecas, em 1945 ela fundou a fábrica de brinquedos Mattel (Harold "Matt" Matson. ["Matt" + "El" de Elliot" = "Mattel"). Desde o seu lançamento, a boneca já vendeu mais de um bilhão de unidades. Se todas elas fossem colocadas em pé, umas sobre as outras, dariam mais de sete voltas ao redor da Terra. A cada dez segundos, uma boneca Barbie é vendida no mundo.

Danone

Em 1919, o espanhol Isaac Carasso começou a fabricar iogurte com leite fresco num pequeno galpão depois de ouvir falar dos benefícios do alimento. Batizou-o de Danone, as primeiras letras do nome do filho, Daniel, unidas à palavra inglesa one, pois o menino era o primogénito. O negócio prosperou por Espanha e, em 1932, Daniel Carasso montou uma fábrica em França.

Livro

O livro, impresso em papel, surgiu no século XV, com a invenção da prensa de tipos móveis, feita por Johann Gutenberg. Os primeiros livros, no entanto, apareceram a partir da invenção da escrita, há cerca de 5 mil anos. Esses livros eram muito diferentes dos que conhecemos hoje, feitos de diversos materiais. Inicialmente, escrevia-se sobre barro, madeira, metal, ossos e bambu, e os livros eram feitos de lâminas ou placas separadas, que não podiam ser dobradas. Tempos depois, foram utilizados materiais mais flexíveis, como tecido, papiro, couro e papel, que permitiram as dobras e os rolos. Os primeiros livros surgiram na Mesopotâmia, feitos pelos sumérios, e tinham a forma de pequenas lajotas feitas no barro. Os egípcios escreveram sobre folhas de papiro, uma planta, sendo que a emenda dessas folhas formava rolos de até 20 metros de comprimento. Esse povo criou a maior biblioteca da Antiguidade, a Biblioteca de Alexandria, que chegou a ter 700 mil livros. O primeiro livro impresso no sistema de Gutenberg foi a Bíblia.

Kodak

O americano George Eastman, inventor do filme em rolo, revolucionou o mercado em 1888 criando uma máquina fotográfica simples, leve e barata. Ela foi baptizada de kodak, nome curto e fácil de ser pronunciado em qualquer língua. Ao terminar o filme, o cliente deveria levar a máquina até ao local em que a havia comprado para que ele fosse retirado. As fotos eram reveladas e entregues em 10 dias. Com o slogan "Aperte o botão que nós fazemos o resto", 90 mil máquinas kodak foram vendidas no primeiro ano.

Parmalat

O italiano Calisto Tanzi tinha 21 anos quando o seu pai morreu e ele foi obrigado a cuidar da fábrica de presunto da família, em Collechio. Até que resolveu inovar e investir no leite. Criou a marca Parmalat em 1962: juntou o nome de sua cidade natal (Parma) com a palavra leite (latte, em italiano)


Para saber a origem de outras coisas, clique aqui.

1 comentários:

Humberto Gessinger em Vitória - Espírito Santo


Para os fãs do Humberto Gessinger, data marcada para a sessão de autógrafos com o gaúcho e lançamento do livro Mapas do Acaso.
O evento acontecerá no dia 09/07/11 (sábado), na Logos Livraria do Shopping Norte Sul em Vitória - Espírito Santo.
A sessão começará às 16h e irá até as 18h.
Contamos com a presença de vocês!!!





1 comentários: